autoimagem

A proposta referente à autoimagem se trata de uma reflexão de forma prática sobre seu contexto multipluralista.

 

Minha proposta é realizar um trabalho sobre como a autoimagem se define em níveis, seja ela na forma do eu, ou na forma de alteridade onde esta imagem se concede no pensamento de outra pessoa, se revelando no pensamento de outro no formato de imagem. Ou seja, o outro ser fazendo uma projeção do "eu" nele mesmo. Sendo esse "eu" a primeira pessoa singular.

Por exemplo, um ser hipotético que ao falar do "eu", ou ver o "eu", ou até escutar sobre o "eu", produz uma imagem em sua mente. Esta imagem surge no pensamento do ser tendo uma referência, seja de vida, seja por uma experiência, ou até da própria forma concreta racional do ser.

Sendo assim, proponho fazer uma reflexão desta imagem, abstrata, sem forma, de um conteúdo hipotético sobre a personalidade e psicologia de um ser, a projeção imagética que é criada pela força do pensamento. 

Nesta rede do pensamento, onde um momento racional ou até emocional não exclui o que vem a seguir, quero demonstrar em minha obra como a pessoa me viu, qual foi a vida desta pessoa e o momento que ela viveu ao fazer tal projeção. 

A imagem que ele produziu em sua mente. E, ao fazer esta análise, chegar à conclusão de um trabalho criado por mim, representando como eu assumo o que ele pensou, a minha opinião sobre a personalidade do entrevistado, como penso sobre o outro, o momento que vivemos durante a pesquisa, pondo todas essas análises em uma experiência artística de pintura. Resultando no meu ver a respeito do entrevistado, a minha forma de ver o que o outro vê de mim. Dizendo de forma coloquial, "o que será que ele pensa de mim?". Que imagem o outro cria de mim ao ter qualquer tipo de experiência a meu respeito? O que eu vivenciei desta análise?

© 2020 ARIEL BUSQUILA.